Notícias

Posicionamento da Liga Nacional sobre recentes acontecimentos

Divulgação
Posicionamento da Liga Nacional sobre recentes acontecimentos

A Liga Nacional de Tiro ao Prato - LNTP, entidade desportiva que promove competições de tiro esportivo no Brasil, na modalidade de tiro ao prato, representante no Brasil da Amateur Trapshooting Association - ATA, vem através desta, manifestar apoio e concordância com a publicação da Portaria nº 62 – COLOG, em 17/04/2020, a qual revogou as portarias nº 46 de 18/03/2020, nº 60 de 15/04/2020 e nº 61 de 15/04/2020, também do referido COLOG, as quais tratavam do rastreamento, identificação e marcação de armas, munições e demais produtos controlados.

Ratificamos que os atiradores esportivos e CAC´s em geral cumprem todos os requisitos legais, os quais são impostos pelos órgãos competentes e são seguidos à risca por nossa entidade e pelos atletas e clubes filiados.

Além dos mais, tais portarias faziam referência a mecanismos de controle inviáveis na prática.

Diante disto, a Liga Nacional de Tiro ao Prato - LNTP reforça seu apoio aos atletas do tiro esportivo e órgãos competentes, prezando sempre pela ética e acima de tudo, pelo cumprimento das leis vigentes.

Por oportuno e não menos importante, posiciona-se a Liga Nacional de Tiro ao Prato em REPÚDIO às infelizes declarações do Sr. Ricardo Ubiraci Sennes em entrevista concedida ao Jornal da Cultura no dia 24/04/2020, onde num contexto de críticas ao Exmo. Sr. Presidente da República, Jair Bolsonaro, qualificou os Colecionadores de armas de fogo – integrantes da categoria dos CAC´s (definidos pelo Exército Brasileiros como Caçadores, Atiradores e Colecionadores) – como “traficantes de armas”. Esta absurda declaração do Sr. Ricardo, não só atribui prática de crime gravíssimo à toda uma categoria, como denigre gravemente a honra de todos os seus inúmeros membros em todo o Brasil. Denota total desconhecimento sobre as práticas de realizadas pelo Serviço de Fiscalização de Produtos Controlados – SFPC do Exército Brasileiro, bem como ignorância quanto a importante figura dos CAC´s como mecanismo auxiliar de defesa do Estado.